Resende terá dois castramóveis para ampliar atenção à saúde dos animais

Resende terá dois castramóveis para ampliar atenção à saúde dos animais

Unidades que vão atuar na cidade estão em fase final de preparação na cidade de Botucatu-SP

 

Resende deve ganhar ainda no primeiro semestre duas unidades do Castramóvel, que estão em fase final de produção na cidade paulista de Botucatu. A expectativa é que os dois módulos móveis sejam entregues à Prefeitura de Resende ainda no primeiro semestre. Na última terça-feira, dia 21, o prefeito Diogo Balieiro e o veterinário Felipe Quinane, do Centro de Controle de Zoonoses, foram verificar o andamento dos trabalhos de construção dos castramóveis.

 

De acordo com o projeto, o castramóvel funciona como um trailer com toda estrutura necessária para o atendimento. Um deles ficará responsável para realizar castrações em animais e o outro será destinado para realizar consultas. Cada um dos módulos possui quatro salas, sendo uma de preparo animal, outra de antissepsia e paramentação, uma sala cirúrgica e uma de recuperação e prescrição médica.

 

As unidades vão permitir que a Prefeitura ofereça o serviço de castração, que atualmente acontece no CCZ, nos bairros mais distantes da cidade, em especial, a zona rural, atendendo famílias que mais precisam. Cada castramóvel custa em média R$ 90 mil e a aquisição foi possível graças a recursos federais.

 

"Com os novos Castramóveis, o atendimento de cães e gatos, que desde 2017, vem batendo recordes de cirurgias e atendimentos, será ampliado, chegando nos lugares mais distantes da cidade, principalmente na zona rural. Claro que ainda tem muito a fazer, e ainda não conseguimos atender a todos, mas com investimentos como esses, o cuidado com cães e gatos vai ficando cada vez melhor, mais eficiente e de maior alcance", disse o prefeito Diogo Balieiro Diniz.

 

Segundo o veterinário, o castramóvel destinado às cirurgias pode fazer até 10 procedimentos por dia enquanto o outro fará uma média de 20 consultas por dia. Felipe Quinane afirmou ainda que os locais escolhidos para abrigar as unidades serão escolhidos e divulgados previamente. Com isso, a população poderá fazer um cadastro para buscar o atendimento.

 

Números em alta

O Centro de Controle de Zoonoses da Prefeitura de Resende ultrapassou a marca de dez mil atendimentos feitos entre janeiro de 2017 e 2019, desde que teve os trabalhos intensificados. No total, segundo dados do órgão ligado à Secretaria Municipal de Saúde, foram 10.166 mil atendimentos feitos até o meio do ano passado. O comparativo entre o desempenho obtido nos últimos anos pelo centro mostra bem a importância desta nova forma de gestão. Em 2016, o CCZ ainda não promovia consultas e fez 171 procedimentos de castração.

 

Com obras de melhoria, novos equipamentos e a equipe reforçada, em 2017 foram feitas 1283 consultas e 1203 castrações, totalizando 2.486 atendimentos. A evolução teve andamento no ano seguinte, com 2.253 consultas e 1.946 castrações. Ou seja, os atendimentos gerais chegaram a 4.199. Em 2019 a situação de crescimento se manteve, pois entre janeiro e o meio do ano já foram feitos 3.481 atendimentos gerais na unidade municipal.

 

Hospital Veterinário

A chegada dos castramóveis e a retomada dos trabalhos do CCZ terão ainda um reforço especial em breve, com a inauguração do Hospital Veterinário. Com as obras em andamento, a unidade terá 326,00 m², contando com com dois consultórios, duas salas de anestesia, duas salas de cirurgia, sala de raio-X, laboratório de análises clínicas, sala de internação, sala de recepção e dois banheiros. O projeto prevê ainda a construção de uma ampla área de apoio com copa, depósito, área de serviço e dois depósitos destinados ao lixo produzido no local.

 

A nova unidade foi pensada para ficar o mais próximo possível da área central de Resende, permitindo melhor acesso para toda a população. O hospital oferecerá consultas, exames e cirurgias, entre outros procedimentos, hoje realizados no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ). Com isso, haverá liberação de parte das instalações do CCZ para a realização de outros serviços que também são importantes para a saúde pública, como as ações de combate à dengue e campanhas de vacinação antirrábica.

 

Foto Carina Rocha

Leia também: