Educação com ética ganha força no Sul Fluminense para formar cidadãos conscientes

     A Escola SESI Resende traz para a sala de aula o jogo de tabuleiro EduComÉtica, que tem como principal objetivo debater a ética a partir de situações que envolvem o cotidiano das crianças e dos adolescentes. Os alunos respondem a perguntas sobre como agir quando encontrar uma carteira de dinheiro perdida, receber um troco a mais no supermercado, presenciar um racha entre carros ou mesmo ver um amigo sendo vítima de bullying. A atividade vai impactar mais de 6.400 alunos do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio das 17 unidades da Escola SESI do estado do Rio, entre agosto e dezembro deste ano. 

 

     Os alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA) da Escola SESI de Resende foram apresentados ao jogo durante a aula de Filosofia na segunda-feira, dia 11. Nesta terça-feira, 12, foi a vez das turmas do 9° ano do Ensino Fundamental e 1º ano do Ensino Médio participarem da dinâmica.  Os alunos do 2º e 3º ano do Ensino Médio vão conhecer o jogo na quarta e quinta-feira, respectivamente. De 18/09 a 06/10 as atividades estão previstas nas Escolas SESI de Volta Redonda, Barra do Piraí e Barra Mansa.

 

     “A escola é uma das primeiras experiências de vida em sociedade, por isso é fundamental como espaço de fomento e aprendizagem sobre o combate à corrupção, especialmente neste momento em que o Brasil passa por uma crise não só econômica, mas principalmente ética”, explica a Coordenadora de Compliance e também do Comitê Executivo de Integridade do Sistema FIRJAN, Luana Pagani. “Corrupção não é só desvio de verbas públicas, mas todas as situações que envolvem a conquista de benefícios por meio de atos desonestos. O jogo é um canal interativo que apresenta justamente situações do dia-a-dia desses jovens que formarão a próxima geração de profissionais, empreendedores e políticos do país”, reforça Pagani.

 

     De acordo com a pedagoga do SESI Resende, Glenda Janaina Santos, o jogo atrai a atenção dos alunos para a compreensão do modo de ser de cada um e incentiva a construção do diálogo para se relacionar numa sociedade de pluralidade de opiniões. “Na prática, leva o aluno a refletir sobre a responsabilidade ética e social, construir valores de solidariedade e altruísmo, respeitar a diversidade religiosa e ter um olhar crítico na relação entre ética e a política que vivenciamos hoje”, ressalta.

 

     Além de Resende, o jogo já passou pelas Escolas SESI de Jacarepaguá, Duque de Caxias, Nova Iguaçu, Maracanã, Cinelândia, Laranjeiras e Santa Cruz.

 

Programa de Integridade é ação do Sistema FIRJAN de combate à corrupção

 

     O jogo “EducomÉtica” faz parte do Programa de Integridade, uma iniciativa do Sistema FIRJAN que reúne um conjunto de ações de combate à corrupção e de promoção da integridade, ética e transparência. Além da atuação nas Escolas SESI, o programa contempla outras ações decompliance, como análise de riscos, monitoramento e capacitações dentro e fora da organização, reforçando a aplicação efetiva dos códigos de conduta ética e incentivando a comunicação de irregularidades. O objetivo é detectar e sanar desvios e atos ilícitos praticados contra o interesse público, da indústria e da própria FIRJAN.

 

     Destinado a colaboradores, gestores, fornecedores, prestadores de serviço e associados da FIRJAN, o Programa de Integridade tem o combate à corrupção como seu principal pilar de atuação. A corrupção aumenta a incerteza dos agentes econômicos; dificulta o acesso aos mercados internacionais de crédito; abala a confiança no governo; corrói os padrões éticos dos cidadãos; cria desigualdade de renda e desestabiliza a economia, sendo fator de fechamento de empresas e postos de trabalho.

Leia também: