Estado do Rio recebe R$ 1,4 milhão do Programa de Aquisição de Alimentos

Estado do Rio recebe R$ 1,4 milhão do Programa de Aquisição de Alimentos

Medida vai beneficiar mais de mil agricultores familiares locais e 110 mil pessoas em situação de vulnerabilidade social

 

O Estado do Rio de Janeiro receberá R$ 1,4 milhão provenientes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), do Ministério da Cidadania, para incentivar a produção dos agricultores fluminenses e promover o acesso à alimentação. O termo de adesão foi assinado, nesta segunda-feira (16/11), pelo governador em exercício, Cláudio Castro, e pelo ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, em cerimônia no Palácio Guanabara. Este ano, o estado já recebeu mais de R$ 7 milhões do programa.

 

A ação tem como objetivo beneficiar mais de mil agricultores familiares locais e atender cerca de 110 mil pessoas que se encontram em situação de vulnerabilidade social, com as doações de 2.729 toneladas de alimentos. Dos 92 municípios do Rio de Janeiro, 69 participam do PAA.

 

- Hoje, o Rio de Janeiro volta a olhar e debater sobre a pobreza. Um trabalho como este visa atacar duas frentes: o projeto beneficia aquele que precisa da segurança alimentar, aquele mais vulnerável, mas também vem ao encontro do trabalho que o agricultor familiar faz. Precisamos investir no nosso produtor, dar infraestrutura necessária, além de apoio, saúde, educação e estradas em condições. Precisamos olhar para as regiões do interior e investir nas vocações de cada local – destacou o governador em exercício, Cláudio Castro.

 

O ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni, falou sobre a necessidade de dar condições ao pequeno produtor e abastecer famílias em situação de pobreza.

 

- O PAA faz uma ponte de solidariedade extraordinária, pois ele vai ao pequeno agricultor de duas formas, seja por meio de associações e cooperativas ou diretamente, por meio do governo do estado ou municípios. É descentralizado, eficiente e aqui no Rio de Janeiro vai atender cerca de 1.500 micros e pequenos produtores. Além disso, vamos atender a uma parcela importantíssima da população, pois os alimentos serão levados para asilos, orfanatos, instituições e famílias identificadas como vulneráveis -  ressaltou.

 

O secretário estadual de Agricultura, Pecuária, Pesca e Abastecimento, Marcelo Queiroz, ressaltou que é fundamental uma ação como esta nesse momento de pandemia.  

 

- O PAA propicia a aquisição de alimentos de agricultores familiares, fortalecendo a produção, e promove a doação desses alimentos para entidades socioassistenciais. Ele tem um impacto socioeconômico altamente positivo para o Estado do Rio de Janeiro, especialmente nesse ano tão difícil que estamos enfrentando.

 

A secretária de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos, Cristiane Lamarão, enfatizou a importância do Programa de Aquisição de Alimentos.

 

- Esta ação expressa o compromisso de proteger a população mais vulnerável nesse momento de crise sanitária e de consequências socioeconômicas, como desemprego e o aumento da pobreza. Oferecer condições de alimento e saúde é fundamental. A política de proteção social e as ações de segurança alimentar podem ser, para muitos, a diferença entre a vida e a morte – observou.

 

No Estado do Rio de Janeiro, só este ano, o PAA já beneficiou 19 instituições, tendo pago aos agricultores familiares mais de R$ 4 milhões. Ao todo, foram mais de 1,7 milhão de quilos de alimentos comprados dos agricultores e doados, totalizando cerca de 285 mil pessoas beneficiadas. A execução do programa é feita pela Ceasa por intermédio do Banco de Alimentos.

 

Também participaram do evento o senador da República Carlos Portinho, deputados estaduais e federais, além de representantes de instituições ligadas ao comércio e à agricultura.

 

O PAA

O Programa de Aquisição de Alimentos é uma das ações federais para a Inclusão Produtiva Rural das famílias mais pobres. O PPA compra alimentos produzidos pela agricultura familiar, com dispensa de licitação, e os destina às pessoas em situação de insegurança alimentar e nutricional e às atendidas pela rede socioassistencial.

 

Leia também: