Guia comercial e classificados on-line.

Gestantes e lactantes serão beneficiadas; mudança também visa geração de empregos 

     Neste dia 11 de novembro entram em vigor as mudanças aprovadas pela Reforma Trabalhista. Essas, flexibilizam do período de férias à jornada semanal  além de ampliar a terceirização e regulamentar o teletrabalho. Porém, alguns juristas falam em diminuição dos direitos dos trabalhadores nos tribunais, outros estimam que as mudanças ajudem a desafogar os fóruns trabalhistas.

Foto: Reprodução

     Alguns especialistas afirmam que os efeitos poderão ser sentidos a partir do próximo ano, com  a estabilidade da reforma. Entre as modificações estão a prevalência de acordos sobre a legislação, o trabalho intermitente, a jornada de 12 por 36 horas e o trabalho em condições insalubres das gestantes e lactantes.

     Sancionada pelo presidente Michel Temer (PMDB) em julho, a reforma trouxe promessas de geração de empregos e ampliação da competitividade. No entanto, para o procurador-Chefe do MPT/PRT11, Jorsinei do Nascimento, o cenário será de perdas de direitos e, principalmente, de restrições ao acesso à Justiça do Trabalho. 

     - O fato de ganhar ou perder fará com que o trabalhador pague as custas - afirmou o procurador-chefe. “Na proporção daquilo que ele perdeu, vai ter que pagar um percentual de custas. O trabalhador terá que provar o direito, que normalmente está nas mãos do empregador”, disse. 

TARIFAÇÃO
     Outro ponto da reforma é a tarifação do dano moral utilizando o último salário contratual do ofendido como parâmetro para aplicar a indenização. “Quando se estabelece uma tarifação, entendendo que o caso concreto acaba por ser desprezado, pois utilizando o valor de salário, duas situações consideradas gravíssimas, por exemplo, em caso de morte, os valores indenizatórios terão enorme discrepância, caso um empregado receba um salário mínimo e outro dez vezes mais”, explica a advogada especialista em Relações Trabalhistas e Contencioso do Trabalho, Alice Nunes.

TELETRABALHO

     Nunes explica que teletrabalho não prevê o pagamento de horas extras. “Tal ponto deve ser analisado com  cautela, para evitar a exploração do empregado por não limitar em nenhum aspecto a jornada de trabalho. Diante dos posicionamentos do Ministério Público do Trabalho, acredito que esse ponto da lei passará por revisão”, afirmou o especialista, acrescentando que os demais direitos tais como férias, 13º salário, entre outros, estão garantidos.

INTERMITENTE

     Empresas poderão contratar funcionários para trabalhar esporadicamente. “Será um trabalhador fixo da empresa, mas o trabalhador só irá quando for chamado. Ele não terá data e nem momento certo para trabalhar, fica sempre ao bel prazer do empregador. Essa chamada poderá ser por dias, horas ou meses”, explicou a advogada trabalhista, Nicolle Torres. “Do ponto de vista social, chega a ser desumano. O trabalhador nunca saberá qual será sua remuneração do mês ou se terá trabalho. Não poderá se planejar para arcar com seus compromissos”, disse. 

BANCO DE DADOS

     Torres explica que, com a mudança no banco de horas, a tendência é que haja uma grande redução no número de horas extras pagas, priorizando-se a compensação. “Creio que ficará muito difícil ao trabalhador evitar a ocorrência das perdas, pois na prática toda negociação entre patrão e empregado é uma negociação desigual. Via de regra o empregador impõe as condições, e o trabalhador que não as aceitas perde seu lugar para outros”, enfatizou.

          PRINCIPAIS MODIFICAÇÕES

Férias: possibilidade de fracionamento por três períodos, sendo que um deles não pode ser inferior a 14 dias.
Jornada 12x36: regulamenta a jornada de trabalho de 12 horas diárias, sendo obrigatório o descanso de 36 horas.
Teletrabalho (Home Office): regulamenta a modalidade de serviço; sua formalização será expressa por contrato de trabalho.
 Atividades insalubres para gestantes e lactantes: a

empregada somente será afastada se as atividades insalubres forem em ‘grau máximo’. Devendo existir um atestado para afastamento.
Contribuição sindical: a contribuição passa a ser facultativa, sendo obrigatório um termo.

Terceirização: autoriza a terceirização de qualquer atividade, sem vínculo empregatício, desde que assegurado as mesmas condições do trabalhador contratado.
Banco de horas: permite que seja negociado por acordo individual, desde que a compensação aconteça em até 6 meses.
Trabalho em tempo parcial: A jornada poderá ser de até 30 horas semanais, sem horas extras ou de 26 horas semanais, com a possibilidade de extensão de 6 horas extras.
Abonos: A partir de agora o pagamento não será considerado verba salarial.

 

MP QUER GARANTIR GRATUIDADE

     O Ministério Público do Trabalho (MPT) ingressou com uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI 5766) contra o artigo 1º da Lei 13.467/2017, que aprovou a chamada Reforma Trabalhista. Para o Ministério Público do Trabalho (MPT), a restrição à gratuidade judiciária prevista pela reforma trabalhista é inconstitucional.  

     Ação foi protocolada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, por solicitação do procurador-geral do Trabalho, Ronaldo Fleury.

     De acordo com a ação, os pontos que alteram ou inserem disposições em artigos da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) – Decreto-lei 5.452/1943 – impõem restrições consideradas inconstitucionais à garantia de gratuidade judiciária na Justiça do Trabalho.

     A ação, que está nas mãos do ministro Luís Roberto Barroso, pede, ainda,  a concessão de medida cautelar (liminar) considerando a intensa violação ao direito de acesso à Justiça Trabalhista. 

     - Estamos aguardando alguma posição no sentido de conceder essa medida. Ninguém pode ser tolido de ter acesso à Justiça e Justiça não pode ser privada de avaliar essas questões. Nos antecipamos, em levar para o STF que dá a palavra final sobre matérias de Constituição - explicou o procurador-Chefe do MPT/PRT11, Jorsinei Dourado do Nascimento.

SINDICATOS

     Com a prevalência das negociações coletivas sobre o legislado, a reforma trabalhista, que entra em vigor em menos de uma semana, vai exigir novas formas para fortalecer sindicatos e outros órgãos de representação classista. A alteração em pontos da Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) enfraquece  a representatividade das entidades ao tirar a obrigatoriedade da sua participação nas homologações de contratos, demissões, na negociação de acordos e também torna opcional o pagamento do imposto sindical que, em muitos casos, é a fonte de recursos dessas entidades.

     São mudanças que deixam dúvidas não só para o trabalhador, mas também para os sindicatos. Na prática, antes das medidas serem efetivadas, o acordo só prevalecia sobre a lei se fosse mais favorável ao empregado. Caso a lei fosse mais vantajosa, ela ficaria acima da norma coletiva. “O movimento sindical terá que fazer mudanças na sua organização de base, na estrutura e no modo como conduz campanhas e negociações coletivas. Ele deve fortalecer sua capacidade de ser um escudo protetor dos trabalhadores”, pontua o  diretor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), Clemente Ganz Lúcio. 

 A partir de agora, os trabalhadores ficam menos dependentes dos sindicatos e mais expostos à necessidade de uma organização coletiva dentro da própria empresa. Para Lúcio, o movimento sindical deve repensar sua atuação para aumentar sua representatividade. “A visão a partir do coletivo dos trabalhadores, nas suas diversas formas, deve se sobrepor ao conceito fragmentado de categoria – uma ideia que hoje divide os trabalhadores”, diz. “Os sindicatos vão ter de repensar a comunicação, fundamentar econômica e socialmente as suas reivindicações, conhecer o perfil da base, a estratégia econômica das empresas e do setor. Os desafios se ampliam”, completa. 

    Sem os sindicatos, os trabalhadores poderão escolher três funcionários que os representarão em empresas com, no mínimo, 200 funcionários na negociação com os patrões. Esses representantes não precisam ser sindicalizados. “O fracasso nas negociações poderá representar o aumento dos conflitos e o desgaste das relações, o que diminui a capacidade de dar solução por meio do diálogo”, defende o diretor do Dieese. 

     Com a reforma surgem ainda os acordos individualizados, em que empregados com instrução de nível superior e salário mensal igual ou superior a duas vezes o limite máximo dos benefícios do INSS (R$ 5.531,31) podem negociar diretamente com o patrão um acordo específico que irá prevalecer sobre o coletivo.
Assim, o que for negociado não vai precisar ser incorporado ao contrato de trabalho ou ser validado pela Justiça para vigorar. Os representantes dos trabalhadores e das empresas poderão dispor livremente sobre os prazos de vigência dos acordos e convenções, bem como sobre a manutenção ou não dos direitos previstos quando expirados os períodos de vigência. “Os trabalhadores saberão construir os caminhos para responder à fragilização da representação coletiva”, acredita Lúcio.

ORGANIZAÇÃO SINDICAL

     Para o presidente da Central Única dos Trabalhadores na Bahia (CUT-BA), Cedro Costa e Silva, a não obrigatoriedade do imposto sindical não é o maior problema no momento, até porque a contribuição se mantém indispensável para os filiados. “O importante é barrar a reforma.  O imposto sindical nunca foi problema. Queremos uma contribuição que seja negociada junto com os trabalhadores”, afirma, antes de completar: “Estamos recolhendo em todo o país mais de 1,3 milhão de assinaturas para barrar essas mudanças na CLT”, afirma. 
     Questionado sobre o papel dos sindicatos a partir do príximo dia 11, Cedro diz que a tendência é a de que as entidades dialoguem mais com a base. “Os sindicatos não estão parados. Fica muito difícil o trabalhador reivindicar alguma coisa do patrão com medo de perder o seu emprego. Quem negocia acordo coletivo de trabalho é o sindicato”. 

     O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil na Bahia (CTB-BA), Aurino Pedreira, concorda: “Estamos na luta de resistência. Os sindicatos vão ter que se organizar e permanecer cada vez mais próximo do chão de fábrica e no ambiente de trabalho. Com certeza, a gente não vai sair de perto do trabalhador”. 

     De acordo com o secretário-geral da Força Sindical, João Carlos Gonçalves Juruna, as mudanças serão discutidas nas negociações coletivas. “Estamos apostando neste enfrentamento para garantir todos os direitos dos trabalhadores. Precisamos aprimorar a nossa atuação e nos reinventar a partir dessas reações coletivas”, considera.

RESISTÊNCIA À REFORMA DIFICULTA ACORDOS COLETIVOS

     O coordenador do Conselho de Relações Trabalhistas da Federação das Indústrias da Bahia (Fieb), Homero Arandas, destaca a dificuldade que o setor está enfrentando com as convenções e acordos coletivos que estão vencendo neste mês de novembro por conta da resistência dos sindicatos à reforma trabalhista. “Está sendo exigido das empresas que as medidas da reforma não sejam adotadas, como por exemplo a terceirização da atividade fim e as mudanças no cálculo do banco de horas. São ajustes que precisam ser feitos antes da lei começar a vigorar. As partes precisam chegar a um acordo”, diz.
     Ele pontua ainda que, com as mudanças na CLT,  os sindicatos vão precisar se reinventar. “A lei tem pontos polêmico sim, mas não tira direitos dos trabalhadores. Tanto os sindicatos patronais como o dos trabalhadores terão que prestar um bom serviço para estimular a sindicalização", afirma. 

     No ponto de vista do setor agropecuário, o ganho da reforma está na agilidade no fechamento dos acordos, como ressalta o vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado da Bahia (Faeb), Humberto Miranda. “Vai evitar algumas situações, como a de sindicatos que as vezes não representavam a verdadeira vontade do trabalhador e interferiam negativamente nas negociações. Com a relação mais direta entre  produtor e trabalhador fica mais rápido atender as vontades dos dois lados. A defesa do emprego tem que estar fortalecida para que a gente possa sair da situação difícil que o país passa”.
     Segundo Kelsor Fernandes, represente da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado da Bahia (Fecomércio-BA) na Comissão Nacional de Negociação Coletiva, a participação do sindicato continua sendo necessária nas negociações. “O sindicato vai ter que achar outros caminhos de custeio a partir de agora, mas ele continua sendo um elo importante na negociação patrão-empregado, só que de uma forma mais dinâmica e proativa”, acrescenta.

* QUER ANUNCIAR CONOSCO? A MAIOR VISIBILIDADE DA REGIÃO É AQUI *

Nosso WHATSAPP (24) 981-126-920

 

 

Vinte e cinco atléticas das universidades da região participaram

     Volta Redonda sediou neste feriado o Torneiro Universitário do Sul Fluminense (TUSF) com a participação de 25 equipes de doze universidades da região. Elas estão participaram de jogos de basquete, futebol, futsal, handebol, vôlei e cabo de guerra, além de competições individuais como corrida, tênis e natação.

Fotos:Gabriel Borges

TURISMO E COMÉRCIO

     O prefeito Samuca Silva disse que há o interesse público em eventos como esse, por isso, o apoio do município.

     - Esse tipo de evento mexe com o comercio local, pois movimentam hotéis, restaurantes, lanchonetes, bares trazendo assim receita para o município e consequentemente mais opções de emprego. Além disso, a população tem opções de lazer para esse feriado e de graça. É nesse sentido que há o interesse publico. Desejo aos atletas uma ótima estadia em nossa cidade - desejou.

     Os jogos foram realizados em sete ginásios da cidade: São Geraldo, Ilha São João, Retiro, Santo Agostinho, Três Poços, Aero e 249. Cerca de dois mil atletas participaram do TUSF. No acordo entre a Smel (Secretaria Municipal de Esportes) e os representantes das universidades, ficaram  definidas algumas contrapartidas por parte dos estudantes, como explica Felipe Assis Diretor de Esporte da Smel.

     - Por estarmos disponibilizando espaços públicos, os eventos são abertos à população. Não se paga nada para assistir aos jogos. Nem há também a intenção de lucro financeiro com as partidas por parte dos organizadores. Cada atleta cobre seus custos de participação no torneio. Além disso, há uma outra contrapartida por parte dos universitários que são materiais que serão usados em benfeitorias nos ginásios onde ocorrem os jogos - disse.

INTEGRAÇÃO

     A integração das universidades e o incentivo ao esporte estão entre as propostas do torneio. Valeska Costa, de Resende, elogiou antes das partidas os ginásios onde ocorreram os jogos.

     - Vou participar de todas as modalidades. A estrutura de Volta Redonda é muito boa. Já participei de outros torneiros e a cidade é realmente um diferencial. A arbitragem dos jogos também é ótima - disse a atleta.

PORTÕES ABERTOS

     Igor Alvarenga, um dos organizadores do TUSF, defendeu o torneio como forma de incentivar às atividades esportivas.

     - Estamos trabalhando na mudança de visão dos torneios universitários. Sempre existiu uma ideia sobre bagunça e desordem e estamos mudando isso, pois queremos incentivar aos esportes e agregar valores. Todos os jogos são em ginásios e eles têm o portão aberto para que a população possa participar também. Nossa intenção é aproximar as instituições e reunir boas práticas esportivas - enfatizou.

Fonte: SecomVR

Foram realizadas missa campal e culto evangélico além de exposição fotográfica que homenageou funcionários

     O Cemitério Municipal de Barra Mansa recebeu cerca de 15 mil visitantes nesta quinta- feira, 2, quando foi lembrado o Dia de Finados. A Secretaria de Ordem Pública disponibilizou o Parque da Cidade para o estacionamento gratuito dos visitantes. Houve um culto evangélico e duas missas no local. Quem foi ao cemitério ainda pôde conferir a exposição ‘Heróis Anônimos’, organizada pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos.

Foto: Paulo Dimas

     Foi montado um palanque no interior do local para as duas missas campais, realizada pela Igreja Católica, e que atraiu muitos fiéis que foram prestar suas homenagens aos entes que já partiram. Ainda houve um um culto promovido pela Igreja Evangélica.

     A administração do cemitério se empenhou para deixar o cemitério pronto para atender a demanda da população que visitou o local no tradicional feriado. O local passou por uma limpeza geral, com vasos novos e flores nos túmulos, reparados pelos funcionários para o dia de homenagens.

HERÓIS ANÔNIMOS

     Na entrada principal do cemitério, os visitantes puderam conferir a Exposição ‘Heróis Anônimos’, organizada pela Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos. O trabalho é voluntário e feito pelo fotógrafo da Coordenadoria de Comunicação Social da Prefeitura, Chico de Assis.

     De acordo com a secretária de Assistência Social, Ruth Coutinho, a exposição serve para valorizar os trabalhadores. “O cotidiano do trabalho em cemitério é cheio de emoções, exigindo do profissional atitudes que respeitem a dor de quem sepulta seus entes queridos. E por isso queremos homenagear, em forma de gratidão, esses indispensáveis heróis anônimos que trabalham dia e noite no cemitério”, afirmou.

SUPORTE AUXILIOU VISITANTES

     Segundo o coordenador do cemitério, Joaquim Raimundo de Oliveira, o cemitério contou com apoios, garantindo maior conforto aos visitantes. “Tivemos o suporte durante todo o dia de ambulância e da Guarda Municipal. A Cruz Vermelha também esteve presente, atendendo a população e ajudando os munícipes no que precisarem”, destacou.

     O motorista que estourar 20 pontos em multas de trânsito perderá a Carteira Nacional de Habilitação (CHN) agora pelo prazo de seis meses. Antes, o limite mínimo era de apenas um mês e o tempo máximo continua de 12 meses. A regra passou a valer desde o dia 1 de novembro.

Foto: Reprodução da Internet

     O aumento da punição ocorre em um momento de alta no número de motoristas infratores no Estado de São Paulo. Entre janeiro e setembro deste ano, 424.625 motoristas entregaram a CNH por excesso de multas. No mesmo período de 2016, foram 377.341. O aumento é de 12,5%.

     A mudança de prazos havia sido estabelecida em uma lei federal aprovada em novembro do ano passado. Se o motorista é reincidente, o limite mínimo de punição passou para oito meses - até agora, era de seis meses

MULTAS ATÉ AGORA: COMO FICA

     - Quem for notificado sobre a instauração do processo e acumular pontuação de infrações cometidas antes de 1º de novembro de 2017 ainda receberá penalidade de acordo com a regra anterior, partindo de um mês de suspensão. O prazo total é estipulado de acordo com o histórico do cidadão e da gravidade das infrações que constam em seu prontuário - informa o Departamento Estadual de Trânsito (Detran), em nota. 

     A punição vale para motoristas que atingem 20 pontos em multas no intervalo de 12 meses. Quando a pontuação é alcançada, o infrator é notificado pelo Detran sobre a instauração do processo. Quanto a permissão de dirigir é revogada, o condutor precisa ir até um posto do departamento de trânsito e entregar o documento, que é devolvido só após o prazo de suspensão correr e depois que o motorista apresenta um certificado de conclusão de um curso de reciclagem.

 

Pensando no bebê?

Rua José Moreira Rocha, Retiro, Volta Redonda
(24) 3212-3946

Visite nosso INSTAGRAM -www.instagram.com/espacobaby.vr

 

 

     A Creche Menino Jesus, situada no bairro Estamparia, inaugurou nesta segunda-feira, dia 30, os novos espaços para o berçário dos bebês e para a sala de leitura. A instituição atende de forma gratuita 130 crianças dos quatro meses aos quatro anos de idade das 7h às 17h.
Fotos: Diego Raffide
     Segundo a tesoureira da creche, Janice de Paula Gonçalves, hoje foi realizado um desejo antigo. “A sala de leitura sempre foi um sonho nosso e conseguimos realizar este ano por conta própria. Demos o nome da sala de ‘Poetista Estélia Meg’, em homenagem a sua dedicação pela creche. Já o berçário foi uma doação do grupo Amigas Voluntárias Carinho Brasileiro, que sempre tem um olhar especial pela creche”, revelou.
 
     Para Ana Lucia Amaral de Albuquerque, uma das fundadoras das Amigas Voluntárias Carinho Brasileiro, a obra foi realizada com recursos próprios, arrecadados em eventos. “Este espaço ficou pronto no dia do aniversário de 40 anos da creche, mas estamos oficializando hoje. Somos um grupo de 12 mulheres de Barra Mansa que realizam trabalham beneficentes dentro da cidade, sempre voltado para a família. Realizamos bingos, festas, bazares, além de outros trabalhos voluntários e com esses recursos assistimos as famílias que mais necessitam”, disse, completando que foram doados também utensílios como carro de bebê, cadeira de refeição, lustres, entre outros.
 
     A secretária de Assistência Social, Ruth Coutinho, frisou a parceria da instituição com a prefeitura. “A creche é uma associação beneficente conveniada à prefeitura de Barra Mansa, que auxilia na manutenção de funcionários e merenda escolar. Nosso prefeito tem dado um olhar especial para a educação e para as crianças de nossa cidade e parcerias como essa só provam o trabalho que tem sido realizado”, concluiu.
 
 
 
 

Pais ou responsáveis têm até o dia 24 de novembro para procurarem a unidade mais próxima de sua casa e fazer a inscrição de seu filho

     A Secretaria Municipal de Educação de Resende iniciou, esta semana, o período de pré-matrícula nas creches municipais e nos Centros Municipais de Educação Infantil (Cemeis) que integram a Rede Municipal de Ensino. De acordo com o calendário divulgado pela Secretaria Municipal de Educação, os pais ou responsáveis legais têm até o próximo dia 24 de novembro para fazerem a pré-matrícula de seus filhos com idade entre quatro meses e três anos. A pré-matrícula destina-se às vagas que forem abertas para o ano letivo de 2018.

Foto: Reprodução da Internet

     Segundo a Secretaria de Educação, as vagas serão disponibilizadas por região e os responsáveis podem inscrever seus filhos em qualquer creche ou Cemei, indicando, na pré-matrícula, a região onde desejam que seus filhos estudem, preferencialmente aquela próxima à sua casa, conforme prevê a Resolução de Matrícula.

DOCUMENTOS NECESSÁRIOS

     No ato da inscrição, deverão ser apresentadas cópias dos seguintes documentos: certidão de nascimento da criança; carteira de identidade da criança e do responsável; CPF da criança e do responsável; cartão de vacina; cartão do SUS; comprovante de residência no nome do responsável; carteira de trabalho ou outro documento que comprove a atividade profissionais da mãe da criança, se for o caso; e laudo médico, com CID, comprovando a deficiência da criança (lei 13.146/15 e deliberação CEDUR 02/2017), se for o caso.

     Atualmente, Resende possui 14 creches: Jardim Primavera, E.M. Dr. Jorge Miguel Jayme (Toyota), São Vicente de Paula (Cidade Alegria), Sandra Maria Ferreira Cotrim (Baixada da Olaria), Luz do Sol (Liberdade), Casa da Amizade (unidade conveniada, Centro), Bairro Vicentina, Novo Surubi, Bairro Lavapés, Morro do Cruzeiro, Pedacinho do Céu (Paraíso), Favo de Mel (Cabral), Parque Embaixador e Rubens Lamin (Engenheiro Passos), além de três CEMEIs: o Dona Lili (Morada do Contorno), Parque das Águas (Jardim Jalisco) e Ângela Maria de Lima (Barra I).

INAUGURAÇÃO DE CRECHE

     A Secretaria de Educação informou que o Centro Municipal de Educação Infantil (CEMEI) da Morada da Barra, que será inaugurado no próximo dia 11 de novembro e receberá o nome de servidora Hilda da Conceição Mateus Inácio, terá um calendário de pré-matrícula diferenciado, que será divulgado brevemente. O Centro inicia suas atividades em 2018.

     Pré-Escola, Ensino Fundamental e Ensino Médio – Ainda segundo o calendário da Educação, a pré-matrícula para a Educação Infantil e Pré-Escola, voltada para crianças com idade entre 4 e 5 anos, também está aberta e segue até o dia 24 de novembro em toda a rede de ensino. Já a pré-matrícula e a renovação de matrícula para os alunos do Ensino Fundamental (do 1º ao 9º ano), EJA e Ensino Médio (cursos técnicos), poderão ser feitas de 6 de novembro e 15 de dezembro.

     Os documentos necessários são: cópia da certidão de nascimento ou de casamento; declaração de escolaridade, transferência original ou histórico escolar (prazo de 30 dias); cópia da carteira de identidade do candidato e do seu responsável legal; cópia do CPF do candidato e do seu responsável legal; cópia da carteira de trabalho; cópia do cartão de vacina (em caso de candidato da Educação Infantil); comprovante de residência do candidato maior de 18 anos e do seu responsável legal; declaração da necessidade de atendimento educacional especializado, se for o caso.

PUBLICAÇÃO

Login (2)

Entrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim
Banner lateral 4
Banner lateral 2
Banner lateral 3
Banner lateral 6
Banner lateral 5
Banner lateral 8
Banner lateral 9
Banner lateral 7
Banner lateral 1