Banner 776 x 186 topo

Guia comercial e classificados on-line.

Na reunião foram discutidos temas como Hospital do Idoso, Santa Margarida e a nova forma de gestão do HSJB e Hospital do Retiro

O prefeito de Volta Redonda, Samuca Silva, recebeu na manhã desta quarta-feira, dia 4, os membros do Conselho Municipal da Saúde. No encontro, que aconteceu no Palácio 17 de Julho, foi debatido o Hospital do Idoso, a aquisição do prédio do antigo Hospital Santa Margarida e a licitação para gestão dos Hospitais São João Batista e Retiro.

 

 

Segundo o prefeito, quase 40% dos atendimentos médicos de Volta Redonda são moradores de fora da cidade. A criação do Hospital do Idoso, que é de porta fechada e não atende emergências, foi para beneficiar aos pacientes da terceira idade de Volta Redonda.

“Essa é a primeira unidade médica especificamente para o atendimento aos idosos acima de 60 anos do Estado do Rio de Janeiro e o segundo em todo o país. A criação foi uma ideia conjunta dos técnicos do Ministério da Saúde com a prefeitura de Volta Redonda”, contou Samuca Silva. Lá são pacientes que vêm do Hospital do Retiro e tem a capacidade de 17 internações de idosos.

Em relação ao Hospital Santa Margarida, o prefeito esclareceu as dúvidas dos conselheiros. A unidade será de porta fechada (sem emergência e urgência) e a previsão é que dois andares começarão a funcionar até dezembro de 2018. O governo municipal adquiriu o prédio e que R$ 6 milhões à vista para pagar as dívidas trabalhistas dos antigos funcionários. “É dinheiro que ficará na cidade porque a maioria dos funcionários é de Volta Redonda”, disse Samuca Silva

Alfredo Peixoto disse que a aquisição do hospital foi um excelente negócio para a cidade de Volta Redonda. “O inventário judicial mostra que há 24 máquinas de hemodiálise e outros dez leitos de UTI e diversos outros equipamentos de alto custo. Foi uma grande aquisição para a cidade”, disse Alfredo Peixoto.

Em relação a gestão dos hospitais São João Batista e o do Retiro, o prefeito quer que o conselho municipal de Saúde seja atuante e tenha voz ativa em todo processo de contratação e no funcionamento.

“O sistema de OS deu certo em várias partes do país como nos estados de São Paulo e de Goiás. O que precisa é que tenha participação do conselho nas decisões e no controle da atuação. Garanto toda transparência possível para o conselho e para a população, além do controle rigoroso da atuação da empresa vencedora com constantes auditorias”, frisou Samuca Silva, que continuou:

“Com a OS vamos resolver um antigo problema da saúde de Volta Redonda, a contratação por RPAs (Recibo de Pessoas Autônomas). Os profissionais da saúde não tinham nenhum direito trabalhista. Agora, com a OS, eles terão carteira assinada, férias e folga renumerada”, disse o prefeito de Volta Redonda. E ainda: Samuca Silva faz questão de levar todo o processo de contratação da OS para o Ministério Público Federal.

Na próxima semana, o prefeito Samuca Silva vai se reunir com todo corpo técnico dos dois hospitais para explicar como será o novo sistema de gestão das unidades médicas.

 

Por Secon-VR com foto Gabriel Borges

PUBLICAÇÃO

Login (2)

Entrar

Acesse sua conta de usuário

Nome de usuário *
Senha *
Lembrar de mim